A “Literatura de Hotel” e o incentivo à leitura

Há cerca de 15 anos, hospedo todos os convidados e convidadas do Sempre Um Papo no Mercure Belo Horizonte Lourdes. Por conhecerem a cortesia, profissionalismo e qualidade do Hotel, os escritores nem perguntam mais onde vão ficar. Sabem que é no Mercure e ali serão bem tratados. Ali se hospedaram José Saramago, Leonardo Boff, Frei Betto, Lya Luft, Nelson Motta, Ruy Castro, Heloisa Seixas e tantos outros.
É por vocação, o hotel mais literário de Belo Horizonte.

Surgiu então a ideia, ao lado do gestor Rodrigo Mangerotti, de fazer um andar literário, com livros nos corredores e bibliotecas nos quartos, tudo à disposição dos hóspedes. Vamos elaborar com cuidado o projeto e para marcar o seu início, vamos fazer a exposição “Quartos de Escrita – Retratos de Escritores nos Hotéis”, de Daniel Mordzinski. São cerca de 70 fotografias com alguns dos mais importantes escritores do mundo e do Brasil.

Nasce, assim, em Belo Horizonte, mais um grande projeto de incentivo à leitura, o “Literatura de Hotel”. E Frei Betto foi o primeiro a doar um exemplar do seu livro “O Budista e o Cristão: um diálogo Pertinente”. Na foto, uma inspiração: o “The Literary Man”, de Óbidos, em Portugal. Uma biblioteca no meio de um hotel. Em breve, mais notícias. Afonso Borges

Poeta mineiro impedido de embarcar pela LATAM

A triste história do escritor Pedro Muriel Bertolini, que foi impedido de embarcar pela Latam, de Confins para Recife, onde lançaria o seu livro “Proezia”. Ouçam o comentário de Afonso Borges.

E a dica de hoje vai para o livro de Alexandre Staut, “Paris-Brest – Memórias de Viagem e Receitas Deliciosas de um Brasileiro Pelas Cozinhas da França”.

O tempo e a hora de Mario Faustino

Minha coluna no jornal O Globo fala de um poeta inesquecível: o piauiense Mario Faustino. Para acessar, só teclar AQUI.

Abaixo, o texto:

É tempo de reler Mario Faustino. Tem um só livro: “O Homem e sua Hora”.  Faustino é natural de Teresina, Piauí. Aos dez anos mudou-se para Belém do Pará, onde formou-se. Depois transferiu-se, aos 25 anos, para o Rio de Janeiro. Intelectual brilhante, ensaísta, crítico, tradutor de Baudelaire, Mallarmé, Rimbaud, Verlaine, era moderno como o País da década de cinqüenta. Editou a página “Poesia-Experiência”, no histórico Suplemento Dominical do “Jornal do Brasil” e ali veiculou os novíssimos de então: Haroldo e Augusto de Campos, Décio Pignatari, entre tantos, geniais. Morreu cedo, em um acidente de avião no Peru. Andam dizendo que Mário Faustino é difícil. Não caiam nesta conversa. Faustino só é pouco conhecido. Leiam, releiam e deixem a alma ficar contaminada por este poeta elegante, metafísico e inteligente. Comecem por “Breve Elegia”. E releiam o último parágrafo até o entendimento se completar. Parece que foi escrito hoje.

Breve Elegia

Só ardem neste sono

os círios da memória e do desejo.

E turvos

na memória revolta são teus gestos –

os únicos repletos de perdão.

É preciso esquecer

tanto amar, tanta amarga

expiação de tudo que guardamos

por não sabermos dar.

E obscura

                    pelas vagas do leito

                                                  – tua sombra –

nenhuma outra é digna deste abraço.

Pudesse eu divagar

pelos bosques teu reino, mergulhar

contigo em tua fonte, ou ascender

ao teu éter contigo, ao teu mistério …

mas não há via larga rumo à noite.

Então, luz após luz remota, um sol atroz

atira-me do sonho aos recifes

reais donde diviso tua fuga:

Jamais a madrugada traz nos braços

relíquias de uma lua que adoramos.

Arthur Xexéo escreve a biografia de Hebe Camargo

“Hebe – A Biografia”, escrita por Arthur Xexéo, é ouro puro. Leiam e relembrem os bons momentos da vida da apresentadora mais querida do Brasil. Ouçam Afonso Borges no @Mondolivro da @RadioBandNewsBeloHorizonte. Só teclar AQUI. Editado pela Best Seller, do Grupo Editorial Record.

E a dica é o livro de Roberto Lima, “Papoulas de Kandahar”.

O papel do jornal físico no incentivo à leitura – Ruy Castro

O jornal tem um papel fundamental no incentivo à leitura. Mas não só isso. Ele é fundamental na organização do pensamento. Ler jornal físico ajuda a construção de uma curadoria de assuntos mais clara, definida. E o exemplo de Ruy Castro que comemora 50 anos de imprensa, é emblemático. A dica de livro vai para o novo trabalho de Evandro Affonso Ferreira, “Nunca Houve Tanto Fim Como Agora”, da Record. Para ouvir, tecle AQUI.

 

 

Novo livro de André Trigueiro enfoca soluções para as cidades

No Blog de Afonso Borges, em “O Globo”, texto sobre o novo livro de André Trigueiro, “Cidades e Soluções”. Para acesar, só teclar AQUI.

E abaixo, o texto:

O  que dizer de André Trigueiro? É um ótimo jornalista, boa pinta, fala claro, sabe interpretar os fatos online, de uma maneira cuidadosa e responsável.  Foi, durante anos, âncora na Globonews, e dirige o premiado programa “Cidades e Soluções”. É professor, criador do curso de jornalista ambiental da PUC-Rio, comentarista da Rádio CBN.

Publicou os livros “Mundo Sustentável: Abrindo Espaço na Mídia Para um Planeta em Transformação”, “Mundo Sustentável 2: Novos Rumos Para um Planeta em Crise”, “Espiritualidade e Ecologia” e “Viver é a Melhor Opção: A Prevenção do Suicídio no Brasil e no Mundo”.

Mas é hora de fazer uma pausa e falar um pouco do André. A articulação da sua vocação, traduzida nos livros “Espiritismo e Ecologia” e “Viver é a Melhor Opção” revela uma pessoa preocupada com assuntos muito além do meio ambiente e a extinção dos recursos naturais. Revela uma pessoa preocupada com o que o Leonardo Boff chama de ecologia interior. E este é o cerne da questão da humanidade, hoje. Não existe chance do planeta prosseguir sem o cuidado com o alma, com o outro. Sim, é a base da doutrina espírita. E este é o André Trigueiro. E começando pelo fim: cem por cento dos direitos autorais de seus livros foram cedidos para o CVV – Centro de Valorização da Vida – que completou  50 anos de serviços voluntários às pessoas, no apoio emocional e prevenção ao suicídio.

Agora, sim, o novo livro, onde o apresentador e jornalista aprofunda o conteúdo do programa de televisão, cujo titulo é “Cidades e Soluções” e tem, no seu subtítulo, a chave do segredo: “Como Construir uma Sociedade Sustentável” (Globonews/Editora Leya).  Dono de um extenso conhecimento sobre sustentabilidade, adquirido ao longo de anos de reportagens e estudos, Trigueiro crava o centro de sua análise na vida em cidades. Esta selva de concreto que abriga milhões de pessoas desordenadamente e povoada de desafios urbanísticos e fora de controle. E segue, definitivo: “não há solução para a humanidade que não passe necessariamente pelo ato de repensar as cidades”.

Este “Cidades e Soluções” debate a incapacidade de nosso planeta em suprir as demandas crescentes de recursos naturais colocadas pelos padrões de consumo e desenvolvimento vigentes. mais do que traçar um diagnóstico, André Trigueiro ouve especialistas em diversas áreas para sinalizar rumos e perspectivas com ações concretas, viáveis e inspiradoras. O programa que dá nome ao livro está no ar desde 2007 e revelou-se único no indicativo de soluções autossustentáveis e positivas para o planeta. O livro é dividido em 9 grandes temas, em textos curtos, e divide as reflexões com ideias de autores como Noam Chomsky, Al Gore, Jeffrey Sachs, Vandana Shiva, Muhammad Yunus, Achim Steiner, entre outros. A seção “ecodicas” traz sugestões sustentáveis de fácil aplicação no dia a dia.

André Trigueiro leva aos leitores, com este “Cidades e Soluções” o debate o assunto mais quente da história da humanidade: a vida nas cidades. Para quem duvida, basta lembrar que já está nascendo grama na Antártica.