As iniciativas de leitura que tornam Belo Horizonte a capital que mais lê no País

Rodapé_MondoLivro - Boletim literário na Rádio CBN

Dando sequência ao Mondolivro de ontem, falo sobre as iniciativas de leitura que tornam Belo Horizonte a capital que mais se lê no País, segundo pesquisa do IBOPE.

A Academia Mineira de Letras, em parceria com o Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, promove o Ciclo de Conferências Sobre a História da Mídia em Minas Gerais. Ontem, terça-feira, foi a vez de Dídimo Paiva. Hoje, às 19h30, um encontro imperdível com o jornalista José das Dores Vital, o JD Vital, que tem em sua extensa bagagem uma passagem importante no Governo de Minas, na gestão de Tancredo Neves. Hoje ele é assessor de comunicação da CBMM – Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração e autor de dois importantes livros-reportagem sobre a Igreja: “Quem Calcará as Sandálias do Pescador” e “Como se Faz um Bispo – Segundo o Alto e Baixo Clero”. Eu estarei lá, na primeira fila.

Importante projeto desenvolve, há alguns anos, o Museu de Artes e Ofícios, ali na Praça da Estação, iniciativa de vida inteira materializada por Angela Gutierrez. É o “Ofício da Palavra”, tocado pelo amigo José Eduardo Gonçalves. O projeto recebeu recentemente Eucanãa Ferraz e Noemi Jaffe e realiza-se mensalmente. Publicou também, pela Autêntica, um livro homônino que recebeu o Prêmio Cecília Meireles de Melhor Livro Teórico 2015. Uma merecida homenagem, o livro é excelente.

O Sesc Palladium tem três programas de incentivo à leitura: o pioneiro Biblioteca Volante, um caminhão de livros que visita as cidades do interior, criado em 1954, inspirou a criação, pelo Sesc Nacional, do BiblioSesc. O projeto “Digas – Poesia Falada ” abre espaço para novos autores, em leituras e maneiras informais de envolver o público e apresentar a poesia. Um ótimo exercício para a construção de textos poéticos. Outro bom projeto do Sesc é o “Caro Leitor” que promove o encontro de escritores com o seu público leitor por intermédio de bate-papos.

E a Fundação Municipal de Cultura lançou a campanha “Compartilhe a Leitura. Doe um Livro”. Até o dia 28 de junho, você pode doar livros nos centros culturais, bibliotecas e no Museu Histórico Abílio Barreto. É uma ação de pré-temporada do Flibh – Festival Literário Internacional de Belo Horizonte, que vai se realizar entre 25 e 28 de junho, no Parque Municipal. Os livros arrecadados irão para as mais de 40 bibliotecas comunitárias da cidade, além dos pontos de ônibus, que tem o excelente projeto “Ponto do Livro”. A pessoa que chega para pegar um ônibus pode fazer da sua espera um momento produtivo, lendo um livro. Ela pode pegar, levar pra casa e depois, devolver em algum outro ponto do livro. Ideia genial que a jornalista Leida Reis tem como preferida.

Minha indicação de leitura de hoje vai para o novo livro infantil de Miriam Leitão, “Flavia e o Bolo de Chocolate”, uma deliciosa história sobre o racismo. Ou sobre a diferença. Ou sobre a adoção. Li ontem para a Manuela e ela simplesmente adorou.

Anúncios

1 comentário

  1. Cleide Fernandes · junho 18, 2015

    E a Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa mantém uma extensa e intensa programação de atividades de incentivo à leitura. São palestras, rodas de leitura, narração de histórias, visitas monitoradas, exposições. Só nesses 5 meses deste ano já são quase 200 eventos, todos gratuitos. Visitem a Luiz de Bessa na Praça da Liberdade.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s